domingo, 13 de setembro de 2020

O húmus da humildade...



 

Ah Terra... 
Solo sagrado da existência humana...
Base primeira dos passos originais...
lar de nossas pegadas...
templo de tantas sementes... 
Ah Terra... 
húmus  da humildade...
onde descansaremos nossas histórias um dia... 
regados pelas lágrimas daqueles com quem trocamos amor!
Ah Terra...
nave espacial da humanidade, 
grão azul no universo, 
imensa placenta de seus habitantes... 
Doce gestante de tantos sonhos...
planeta radiante apesar de seus seres errantes... 
Ah Terra! 
Mãe de tantos perfumes, 
tantos sabores, 
tantos costumes, 
tantas cores! 
Ah Terra...
Irmã generosa, 
namorada do Sol, 
guia da Lua, 
majestosa nos brilhantes tons 
de suas vestes azuis...
Descalça na feminilidade 
de seus pés nus, 
desfilando pela galáxia, 
a beleza de sua fertilidade... 
Ah Terra... 
perdoa os que perderam a dádiva 
de se sentirem e se declararem apaixonados por ti...
Eles não sabem o que sentem... 
eles não sabem o que fazem...
eles nãos sabem o que matam e o quanto morrem 
entre os graciosos movimentos de suas rotações e tranlações...
Ah Terra,,,

O Assobio de Clara de Assis


  

Enquanto isso, numa cidade vizinha, Irmã Clara, com pensamentos leves sobre o encontro próximo com o Irmão Francisco, seguia pela estrada florida da primavera, questionando-se sobre o que haveria de ser a novidade que ele queria lhe mostrar e que havia batizado de presépio... 

O Natal se aproximava... 

No Espírito de simplicidade que unia aqueles dois santos, Clara seguia pela estrada, em direção a Francisco, assobiando uma canção bem conhecida...

"Bate o sino, pequenino, sino de Belém...já nasceu Deus menino para o nosso bem..."

Tão diferente dos badalados sinos de manchetes atuais...

Estado de graça Franciscano



Nu diante da Trindade, 
o meu Espírito vem ao mundo 
como criança que deixa o ventre da  mãe
 e chora, sentindo o oxigênio da fé arder no peito, 
voltando a ser aquele Adão de antes da maçã... 
Livre, feliz, pleno no sentimento de pertencer à criação! 
Sem dividas, sem medos, sem segredos...
face a face com o Amor!

" A senhora chora tao lindo, Mãe Violeta... A senhora chora sorrindo! "
Esta foi a fala de uma das filhas de rua de Irmã Violeta que testemunhei noutro dia...
E o eco desta fala me repete generosamente a mesma gratidão do Irmão João, quando fala sobre o carisma da paixão vivido por nossa Violetinha...
A Irmã, reluzente de felicidade com a declaração de sua filha de rua, não se conteve e, indo ao seu encontro, a abraçou, oferecendo seu colo materno tão carinhoso...
Como aquele abraço me lembrou o do Pai Misericordioso indo ao encontro do filho pródigo...
Como aquela fala da filha de rua ecoou em mim como o filho pródigo falando: 
"Pequei contra o céu e contra ti...."
E eu ali, embriagado de tanto Amor, vendo se dissipar qualquer dor e ser perdoado qualquer pecado...
Ali, ao lado das duas, Deus fazendo das suas...
E eu, estranhamente, me sentindo lindo, chorando sorrindo...

Coisas da irmã Doçura



A Irmã Doçura estava na Capela rezando numa noite de lua e chuva....
pensava na família que havia visto num Jardim em Nazaré.
Eles pareciam passar fome e frio...
E seu coração tinha arrepios ao ver irmãos com qualquer tipo de dor...
A Irmã Doçura era movida pelo Amor!
Agora, ali na Capela, na simplicidade do seu servir franciscano, ela pensava em quantas portas haviam se fechado para aquela família...E uma espécie de nostalgia ecoava em sua alma...
Em tempos de pandemia seu coração intuía que aquela família representava a pobreza de tantas famílias que estavam peregrinando, naquele momento, pelos terrenos baldios e becos escuros dos seus interiores mais solitários e sombrios...
Aquele era o Natal do vazio...
o Natal do estio...
do jejum forçado do abraço, da Vida ausente, do presépio indigente, da saudade enclausurada...
Extasiada pela transfiguração reluzente de sua peregrinação solidária, na jornada orante e solitária de sua oração, a Irmã Doçura ofereceu a si mesma o banquete da sua impotência diante daquela situação...
A angústia arranhando seu coração...
A falta de oportunidade de ação como penitência....
o eco de tanta indiferença latejando como um mantra, uma admoestação...
É...você não pode mudar o mundo, costumava escutar...
Estamos todos de passagem montando presépios interiores, oferecendo confortáveis manjedouras aos nossos próprios lamentos...aos nossos frágeis sentimentos...
Naquele instante a Irmã Doçura pôde  sentir o travo amargo da inquietação na degustação daquela miragem...
No espelho de seu deserto, a contemplação da madrugada da ausência  em sua jornada...
Sua Belém abandonada na matança dos inocentes...
Na contemplação de tantas casas reviradas ao avesso, o Amor continua em busca de morada...
Há algum lar com portas abertas ao sacrifício?
Há algum lar capaz de abrigar o Amor como ofício?
Saindo da capela em direção a um dos seus, exercendo o sacerdócio do abraço, a Irmã Doçura acolhia a Deus em cada um dos seus passos...

A Casa das Sete Mulheres




Em torno do Rei do Pão
sete mulheres carismáticas
todas se dando as mãos
por uma tradição fantástica...
Na casa das sete mulheres
Ana, Zuleika e Dalvinha,
Marina, Gogói e Concinha,
as filhas de Dona Glorinha...
As mulheres de Seu Sousa
retrato de uma familia unida
que faz no pão de cada dia
um grande exemplo de vida!
Cada uma do seu jeito,
entre tristezas e alegrias,
honra o colo e o peito
da matriarca da Marias
Sete mulheres guerreiras
a mãe e suas seis filhas
como uma semana inteira
cada uma representa um dia...
Entre delicias tão bem feitas
vão perpetuando uma história
mulheres que seguem a receita
dessa admirável Dona Glória!

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Esperança, fé, espiritualidade...

 

Esperar...
Apostando no que virá...
Como uma criança que nem por um segundo é capaz de duvidar que sua mãe vai lhe buscar, mesmo que seja a última achegar....
Isso é Esperança!
Acreditar...
Que o melhor ainda virá!
Se atirar no colo do Pai, na firme certeza de que Ele vai suportar...
E mesmo com medo do mar, simplesmente mergulhar! Na profundidade submergir, mesmo que lhe falte o ar!
Isso é fé!
Voar...
Tendo como asas a esperança e a fé...Encarar o caminho e abraçar o espinho que vai ferir seu pé..
Trazer a caridade para a essência do que se é!
Isso é Espiritualidade...
O chamado da Cruz....
Do Amor que conduz e nos faz aceitar a dor do outro e a transformar em nossa própria dor!
Amor que acolhe a saudade, que supera a tristeza, que triunfa sobre a morte e vai além da própria natureza!
E maior que o sofrimento, transforma a voz do lamento em testemunho de vida!
Amor que cicatriza feridas...
Esperança, fé, espiritualidade...
Mistério da Trindade transfigurado na aceitação de um chamado...
Vocação? Missão? Cálice sagrado? Dom confirmado? Fruto colhido?
Qual o sentido que, em você, foi despertado?
Olfato, visão, paladar, tato, audição?
Qual deles desperta em você a mística "saudade da criação"?
Físico, alma, razão...
Trindade em contemplação....
Imagem e semelhança de Deus...
Mistério de cruz e paixão!

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

À Tua Imagem!



Fala em mim, 
silêncio de Deus...
cala em mim
Palavra de Amor...
Sopra o SIM,
me faz gestar Deus!
Paz sem fim,
se faz oração...
Toda expressão 
ter Tua imagem...
Doce VIAGEM
da contemplação...
O Deus que Dança 
a luz que arde 
a semelhança,
a criação!
Espírito! Espírito!
Meu coração está em brasa!
Espírito! Espírito
Meu coração  é sua casa.. 
Brisa suave de tuas asas...
Pouso de Deus, inspiracao!

26 anos, bodas de Alexandria...



Há 26 anos nós nos dizíamos sim, sacralizando um Amor nascido da amizade e da paixão por Deus!Naquele início de Setembro, na igreja do Desterro, sob as bênçãos de Santana e Santa Clara, de nossos pais e irmãos, amigos queridos, padrinhos e testemunhas e do inesquecível Padre Luna.Dali em diante a Caminhada passou a ser a dois, pegadas lado a lado, na companhia de Cristo e de Maria, numa Trindade de anos que nos trouxe a intimidade e o tempo do plantio e da colheita!Novas vivências, desafios, alegrias, saudades, gente nova chegando, gente querida partindo de nossas vidas... E a chegada de Let. Fazendo o Amor frutificar...Nosso lar... Acolhimento de mães...Missão par... honrando gente tão ímpar...Donna da Casa...Caninas asas... saudade em brasa...E a presença de Deus, na alegria marrom vinda das ruas...Deus tem umas coisas tão suas...Como explicar o chamado? Depois de tanto tempo, de tanta Caminhada? Como não dar graças por você ao meu lado? Do banco da praça ao dia de hoje...Você que curte tanto carnaval, que assumiu comigo ser luz e sal, e fez da minha vida folia na alegria de um beijo onde só havia você, a praça e o poeta...pouco antes de um ensaio do coral...Vida é "fiesta" ao seu lado...Gratidão por juntos termos conseguido dar sentido ao sim que nos dissemos! Caminhemos! Que cada dia seja um sinal dessa aliança! E sempre que entrar Setembro, a boa nova seja uma criança chamando a gente pra dança no templo do.nosso Amor! Feliz Bodas de Alexandria...Que tudo o que havia seja, cada vez mais, maior!Cada vez mais, melhor!

domingo, 23 de agosto de 2020

Santuário Vivo



Ser
Santuário vivo
Ser
necessário abrigo
Abraço solidário
para o sofredor!

Ver
na dor do invisível
um calvário acessível
traço humanitário
do mais puro Amor!

Um Amor
sem julgamento
ou diferenças...
Um Amor
que é sacramento
e é presença!
Que inclui
quem não é visto,
vendo ali
o próprio Cristo

Um Amor 
maior do que 
se é!
Um Amor
maior que a
própria fé!
Que inclui
quem não é visto,
vendo ali
o próprio Cristo

Ser
Santuário vivo
Ser
necessário abrigo
Abraço solidário
para o sofredor!
Ver
na dor do invisível
um calvário acessível
traço humanitário
do mais puro Amor!

Sobre a Esperança



Quando 
nossa criança
chama Deus 
pra dança
a paz faz 
oração...

Nossa alma
descansa
e nossa
esperança
acalma
o coração...

E a fé
traz a luz
onde há sombra
e escuridão...
Nós de pé
com Jesus
abraçando a cruz
como missão!

Quando
o Amor se lança
nossa 
confiança
mostra a
direção...

E nessa
Aliança
tudo em nós
alcança
outra 
dimensão...

E a fé
traz a luz
onde há sombra
e escuridão...
Nós de pé
com Jesus
abraçando a cruz
como missão!

Cartas ao irmão João 3 - Sobre o deserto em nós mesmos



Ah João...
O deserto tem suas maravilhas...
 traz a gente mesmo pra mais perto...
coloca no espelho a grande família... 
O deserto tem a voz que clama sozinha...
As pegadas das tentações...
As ervas daninhas...
As miragens... 
As ilusões....
O oásis das orações...
Os encontros com nós mesmos 
na mais legítima mendicância 
de nossas provações! 
Ah João... 
Nossas solidões... 
Nossos medos...
Nossas tempestades de areia....
Nossos segredos! 
O barro... 
O cuspe... 
A lama...
O milagre... 
Nossos olhos se abrindo 
aos nossos próprios dramas!!! 
Ah João... 
Nossas pérolas...
Nossos egos... 
Cegos nômades em nossos 
Saaras interiores... 
Nossas dores...
Nossos templos fechados... 
Nossos isolamentos...
Muito anteriores a qualquer pandemia...
Nossos auto-louvores...
Nossas agonias...
Nossas interpretações...
Nossas palmas... 
Nossas atuações...
Nossas almas...
Ah João... 
Nosso pálido ser cristão.... 

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

O Bom Anjo do Anjo Bom (Para D. Dulcinha em Parceria com João Salomão)


Ela era o cuidado de Deus para a irmã, Dulce...
Às vezes era seu escudo... Outras vezes era sua voz...
Era ela quem cuidava de tudo...
"Dois corpos numa alma só!"

Ela tinha o nome da mãe delas duas e, também o nome da Mãe do céu:
Dulce Maria...
E este primeiro nome, o Anjo Bom da Bahia recebeu quando se tornou

religiosa: Irmã Dulce!

Ela deu à sua única filha o nome da irmã querida: Maria Rita...

Três Marias...celeste constelação na condução de uma obra sagrada...

Ela foi Dona D, a inesquecível  Dulcinha...
A irmã tão amada da Santa iluminada!
Amiga inseparável, companheira inesquecível!
DNA repleto de Amor, sangue bom do Anjo Bom!
Um bem querer tão sensível!

Na saúde e na doença, na tristeza e na alegria,
guardiã de seu legado, esteve sempre ao seu lado,
cada uma no seu tom...

O bom anjo do Anjo bom!

A presença da Maria do sim, desde sempre até o fim...
Tanta cumplicidade a fez legítima herdeira para garantir a continuidade
do Amar e Servir de verdade, mesmo transpassada pela saudade!

A amada irmãzinha da Santa abençoada, com todo sentimento, deu então

prosseguimento à missão recebida, até o fim de sua vida...

E, de forma leve e nobre, continuou a cuidar dos pobres,
ajudando sua filha adorada...

Hoje, lá do céu, as duas irmãs reunidas,
 "juntas para sempre", com as suas mãos unidas,
intercedendo de maneira tão bonita por sua Maria Rita,
atual herdeira de uma missão infinita!

domingo, 9 de agosto de 2020

Reflexões sobre Cartas de Santa Dulce dos Pobres



Eu conheci pessoalmente a já famosa irmã Dulce...
Ouvi falar de seus feitos...
Li suas biografias e suas Sementes de Amor...
Mas em suas cartas algo inédito se revelou...
A intimidade da Dulce família, zelando por sua irmã Dulcinha e por sua homônima sobrinha...
O dom de profecia da Dulce executiva, testamentando compromissos de Anjo para Ângelo...
A maturidade na fé da Maria Rita noviça, celebrando a gratidão por seu novo nome, chamando carinhosamente a sua Superiora de Mãezinha!
A sofrida dor da despedida na carta escrita a seus filhos, levando seu Amor em forma de conselhos até o fim da sua vida...
As sábias orientações às suas filhas noviças, desta vez no papel de mãe e fundadora, transmitindo seu legado com uma devoção transformadora...
Em cada palavra, cuidado...
Em cara frase, acolhimento...
Em cada oração, oração!
Uma riqueza de emoção e sentimento, uma espécie de Evangelho da sua missão!
Fé e compromisso!
Amor e serviço...
Perfumando com sua caligrafia as folhas vazias de sua escrivaninha...
A santa e suas cartinhas...
A santa e seus bilhetes...
Um ramalhete de cartas transfigurando sua resplandescente humanidade tocada pelo divino!
Ao MID e ao Núcleo de Memória e Cultura, uma profunda gratidão por cada escrito...tão bendito, tão bonito!
Uma visita a um legado eterno...
na descoberta de um Amor infinito!

Reflexões sobre "A Vida Interior de Santa Dulce dos Pobres"



Da pequena Maria Rita à Dulce orante, uma verdadeira romaria ao coração de nossa Santa, passando pelas estações do tocar (Dulce musical) e do servir (trabalhadeira)!
No peregrino desta jornada, cada um de nós representado, humildes viajantes que somos na tentativa de compreender a imensidão de um amor abnegado e inteiro, capaz de ver aqueles que ninguém mais vê...
Dos chamados da produção ao olhar do diretor, do cuidado com os figurinos aos cenários de luz e cor, a sensibilidade por trás das lentes, para mostrar de Dulce o interior...
No espelho nos vimos em teus pobres e nos teus pobres revelou- se o próprio Amor: Jesus Cristo...
Então é isto... É disto que estamos falando, do mesmo Amor que abraçou a dor e o sofrimento, que assumiu a sua cruz...
E da sua insaciável necessidade de tocar o Cristo da Paixão no mais humilde sofredor...
Todas as Dulces habitam neste lugar...Ao mesmo tempo humano e sagrado, e, em coro, fazem um chamado: viver e ser viço do Amor!
Nos bastidores desta filmagem, banquetes e banquetes de amar e servir...
Na alegria de uns, na disponibilidade silenciosa de outros, na leveza de todos pelo objetivo maior: o bem comum, o ser um!
Entrega, verdade, troca, confiança, todos nos passos da mesma dança, numa coreografia de diferenças  marcando a essencial semelhança...
Luz, câmera, ação!
A vida interior de Santa Dulce dos Pobres palpitando em cada coração!
Da fachada envelhecida do casarão do antigo abrigo às riquezas dos salões do Instituto Feminino, tudo foi acolhimento, em cada momento vivido!
Da direção segura de nossa van ao zelo carinhoso com nossas refeições, cada apoio fundamental e definitivo para o cumprimento de nossa missão!
A maior beleza? Ela ter chamado cada um e escolhido...e cada um ter abraçado seu próprio sim com todo o coração !
Então minha irmã, meu irmão, sinta-se ungida(o) pela Vida e abraçado(a) por nossa imensa gratidão...
Nos transformamos em família reunida num curto espaço de tempo, nos tornamos templo de uma linda devoção!
O produto final, pura inspiração do Espírito, desde a sua criação à entrega do arquivo...
Um curta palpitante, vivo, que nos torna cativos de uma emoção repleta de sentidos...
Após sua exibição, uma certeza...
Da menina à artista, da trabalhadeira à orante, nunca foi filantropia... Sempre foi Caridade!
Sempre foi olhar além da casca e viver além de si mesma...
Enxergar o Cristo em todos e não ver senão a Cristo, até no espelho...
"Já não sou eu quem vive." É meu Cristo Amigo que vive em mim"
A Vida Interior de Santa Dulce dos Pobres é um mergulho definitivo na sua espiritualidade, na essência do que movia o Anjo Bom da Bahia!
É também um convite a quem se dispõe a trabalhar pelo seu legado...
Um convite diário, sem julgamentos, mas com muito amor:
- Como anda a sua vida interior?

Reflexões sobre Sementes de Amor



Suas Sementes de Amor
geram frutos em nós...
das cicatrizes da dor
o eco da tua voz!
E a caridade a se multiplicar
no sorriso e olhar dos seus...
O seu carisma a se renovar,
nas suas obras, que são de Deus!
Do seu perfume de flor
um terno afago da paz...
Do teu legado de Amor,
a força pra fazer mais!
Exemplo para partilhar
na força da oração
ser templo pra servir e amar
perpetuando sua missão!
A doce luz e o calor
do seu abraço materno
sem julgamento ou valor
acolhimento fraterno...
E a caridade a se multiplicar
no sorriso e olhar dos seus...
O seu carisma a se renovar,
nas suas obras, que são de Deus!

Reflexões sobre a peregrinação...



Nas suas peregrinações diárias, Irmã Dulce muitas vezes ia até o Bonfim...
Era a sua própria via sacra... Sua via dolorosa, seguindo os passos de Jesus...
Perseguindo saciar a sua absurda necessidade de tocar a dor de Cristo no doente, no excluído, no pobre...
Nas suas andanças, tantos portos seguros nos quais ela se abastecia e alimentava a sua fé...
A igreja de Nossa Senhora da Penha de França, a igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, o Santuário de São José, a Basílica do Senhor do Bonfim!!!
Nestes locais, ela descansava seu cansaço físico e renovava sua confiança!
Ia até o Cristo e aliviava a aflição sob o fardo que diariamente carregava, de ter que acolher, muitas vezes sem poder...
Santa Dulce dos Pobres hoje no Bonfim...
Na peregrinação de sua imagem pelas ruas desta cidade que leva o nome do Salvador!
Discípula e Mestre se reencontrando...
Abençoando o seu povo do alto da sagrada colina...
Pura graça divina!
Carregando o Salvador no colo, na imagem do pobre, ela nos lembra do Evangelho:
"...todas as vezes que fizeste isso pelo menor dos meus irmãos é a mim que o fizeste!"
Carregando o Salvador no colo, na imagem do seu menino, ela nos remete à Pietat...
Peçamos a Deus, pela intecessão da imensa generosidade do coração desta Mãe, que Ele tenha
Piedade desta terra abençoada e de seu povo...
Peçamos a Deus que, do alto deste encontro no qual o Amor se transfigura, venham bênçãos e graças de cura para os que sofrem com a pandemia...
Do mistério insondável de Santa Dulce dos Pobres, imitemos a confiança no Pai de toda a criação,
na sua providência e no seu amparo, pelo infinito Amor do Coração de Jesus ela humanidade!

Amém!

Pai do céu...Pai da Terra! (A João Augusto Didier e todos os "pais" de minha vida!)


Eu vos dou graças
Pai do Céu
pelo Pai que me destes
aqui na Terra!
Em 13 anos de convivência,
ele foi um grande exemplo
em minha vida, com seus
tantos testemunhos diários
de Amor, fé, honestidade,
verdade e confiança em Ti!
Eu vos dou graças
Pai do Céu
pela presença constante
deste pai tão amado em minha vida,
mesmo depois de tanto tempo
de ausência física!
Eu vos dou graças
pela irmã saudade
que ainda se faz tão presente,
tão viva em mim!
Obrigado Pai do Céu
pelo meu inesquecível
Pai da Terra...
João...
Jone...
Didier...
Por cada segundo em que pude
aprender com ele o sagrado ofício
da paternidade...
Por cada vez que ele chegou até mim
e se fez da minha idade, brincando,
cantando, contando histórias,
rezando, aconselhando,
ensinando, sorrindo,
se divertindo, sendo amigo,
brincando de conviver comigo!
Graças Pai do Céu,
por outros tantos "Pais"
que vieram até mim
e se fizeram presentes
depois que você o chamou para Ti...
Obrigado por Tio Levy, por Dr. Jorge Studart,
por Elias Darzé, por Tio Eduardo, Tio Ricardo,
Tio Roberto,Tio Luiz Carlos, Tio Tárcio, Tio Osmar Silva,
Tio Hélio Benjamin, por José Garcia, por Padre Luna,
por Passos, por Meireles, por meu Avô Alexandre,
por meu irmão Vinícius e meu cunhado Paulo!
Obrigado pelos meus amigos e compadres
que diariamente me ensinam sobre o exercício
da paternidade, cada um com seu carisma,
cada um com seu dom e sua perspectiva...
Obrigado também por minha mãe,
que durantes tantos anos se tornou "Pãe"
e também nos deu testemunho de paternidade,
com tanta coragem, amor e fortaleza!
Obrigado Pai do Céu pela minha companheira de Vida,
que me deu a graça da paternidade,
construindo com seu sim e com sua entrega
a nossa família e me dando o maior presente de todos:
Let, nossa grande alegria!
Obrigado, finalmente, Pai do céu,
por esta minha filha tão amada,
que me ensina a cada dia sobre
cada detalhe desta sagrada missão de SER PAI!
Graças e louvores a Ti, meu Deus e meu criador,
meu Pai e meu irmão, pelos milagres do CAMINHO,
pela força da VERDADE, pelo dom da VIDA!

Amém!

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Sobre a saudade (para Maria Rita Pontes e sua doce saudade)





Aquela doce voz...
aquele leve colo...
aqueles sábios conselhos...
regando o solo..
Já rezou seus três "Pai Nosso"?
E as três "Ave Maria"?
Como anda a sua fé?
Escute sua tia!!!
Esta obra não é minha...
Esta obra é de Deus!
É só seguir esta linha...
Como Ele prometeu!
Tenha muita confiança...
na providência divina...
a oração tudo alcança...
confie, minha menina...
Nada há de nos faltar
mesmo em tempos difíceis,,,
leve sempre Deus no olhar!
Eu continuo presente!
E eu sei que você sente
enquanto eu abençoo
sua missão tão bonita!
Siga em frente Maria Rita!

quinta-feira, 23 de julho de 2020

Mistérios da Madruga (imagem google sem autoria declarada nesta data)



Tudo é silêncio distante
no instante onde a luz é tropeço
neste doce avesso da noite
todo fim é um recomeço...

Passos e pegadas sem pressa
correm com o sussurro dos ventos
código da sílaba inversa
pródigo num momento...

E o sonho que se acabou
se tornou real quando em mim dormiu
segredo que se revelou
mergulho abissal, que se repetiu

O mundo girando
e o tempo apontando
a última estação chegando...
Ponteiro mostrando
destino dançando
o Amor segue, livre, amando!

sábado, 4 de julho de 2020

Travessia



As tempestades...
Seja na sede do deserto, seja no mistério do oceano, elas trazem sombras aos nossos corações...
Em ondas muito maiores do que esperamos, em dunas muito mais extensas do que imaginamos...
As tempestades chegam encobrindo a luz com suas pesadas nuvens de cinzas, ou de areia...
As tempestades, o temor em nossas veias...
A água, a tormenta, o trovão, a dúvida, o medo inundando o coração....
O pó, a rajada violenta, o sol e a garganta seca, a escuridão, a súbita sensação de ser um mero
brinquedo da Criação...
As tempestades...
A solidão, a palidez, a imensidão, a pequenez, a falta de fé em toda a sua nudez, no meio do oceano
bravio ou no deserto da nossa própria aridez... Quem dizem que sou? Quem dizem que são?
Atravessar as tempestades, confiando nos passos firmes do Amor sobre as águas, seguindo suas
pegadas, encontrando seus oásis, mergulhando na oração,
até emergir no Tabor e contemplar a Transfiguração do Senhor...
A gloriosa manifestação da Trindade profética para a Trindade humana, tão cética em sua contemplação...
Entre dois elementos, Moisés e o Maná no deserto, Elias e seu arrebatamento ao oceano azul do céu!
Moisés e seu cajado sobre o Mar Vermelho...Elias e seu manto dividindo as águas do jordão...Entre dois elementos, Terra e Água, deserto e oceano, uma explosão de luz: Jesus no centro da Criação! O Filho bem amado, no sagrado momento da revelação!
As tendas que Pedro imaginou erguer...
As tempestades da missão...no deserto das tentações, no mar das decepções...
E a longa travessia da salvação ainda a percorrer...
Com Jesus e Maria...
Do colo da noite da estrela guia ao colo de dor da Piedade sobre a matéria fria....
Sofrer, morrer e ressurgir...O Deserto da Paixão, o Oceano da Ressurreição...
O Sangue da Cruz, o Pão de Emaús...
Novamente Trindade a CAMINHO, transformando espinho em explicação...
As dobras marcadas no linho...As sobras da multiplicação...
No isolamento da angústia, a VERDADE da oração...
A vigília, o sono profundo, as maravilhas do mundo, a canção!
O andarilho, sozinho, tirando dos olhos os ciscos...
O homem isolado em seu ninho, com os olhos voltados para Francisco!
Pela televisão, a praça vazia...A chuva fria... O crucifixo e a pandemia!
A travessia....O passo trôpego... O desapego...O Pai Nosso, a Ave Maria!
A voz mais forte que o vento:
- "Coragem! Sou eu. Não tenham medo!”
O arroubo, o atrevimento...
- Deixa eu ir ao teu encontro!
A dúvida, o desassossego, e antes de afundar a súplica:
- Salva-me Senhor....
A mão estendida, a VIDA!
- Homem de pouca fé....
- Pedro, tu me amas?
Afirmação, exclamação!
-É claro que te amo!
Não!!!!!!!
A negação por três vezes...
A dor do arrependimento por meses...
O entendimento da missão!
No deserto da última travessia, a cruz de cabeça para baixo,
luz do mundo, pedra, Pedro, Francisco, e eu, onde me encaixo?
Tempestade, deserto, travessia...
Ao contemplar o irmão, a nova transfiguração!
Maravilha!
Vigília!
A Casa Comum em sintonia...
numa diferente Sexta-feira da paixão!


terça-feira, 23 de junho de 2020

Noites Juninas

Não adianta o licor
da delicatessen da esquina
saudade da noite junina
de lá do interior...
Saudade do São João de verdade
da fogueira da casa do cumpadi
da canjica feita pela cumadi
das bandeirolas de tudo quanto é cor...
Não adianta o mungunzá
nem o bolo de aipim
nada consegue dar fim
na saudade que me enche de dor...
A galera em águas
no meio dos coqueiros
cantando as mágoas
entre a cerveja e o licor...
O vizinho chamando fifó de fiofó
e a risadaria, que maravilha,
no improviso da quadrilha,
num tinha coisa mió!!!
E no encontro das águas
teve até extraterrestre dando tchau
fantasiado de bacurau
entre ciroulas e anáguas...
Visões de besouros gigantes
visitando o "P" vinte e nove
entre um e outro engov
contando segreddos distantes...
Não adianta o licor de tamarindo
o azedo da saudade
deixa a gente na vontade
de ver aqueles fogos tão lindos...
E se misturar com o de jenipapo
mesmo assim não dá jeito
saudade é ar rarefeito
que vem pra tirar escalpo...
Olha eu aqui de novo
xaxando mesmo sem querer
querendo xaxar sem poder
de junto do meu povo...
No tempo do tal Corona
que nos roubou o calor do abraço
tento encontrar um espaço
pra abraçar uma sanfona...
Mas se você for deste tipo de gente
que acha a poesia uma coisa cafona
que põe um poema na lona
por não saber o que sente...
Eu vou te pedir perdão
para ser bem transparente
você não sabe realmente
nadinha sobre São João...
Então, se me permite aconselhar,
procure uma paixão verdadeira
que acenda que nem fogueira
a sua própria escuridão...
Só então você verá as estrelas
ao provar uma boca vermelha
que com a sua faça par
e faça dançar seu coração!
Só aí a sua alma vai se elevar
e tocar o céu que nem balão
e voce vai dar razão
quando o poeta cantar
sua saudade do São João!

sábado, 20 de junho de 2020

Na saúde e na doença...(a Jorge e Anna Studart)




Salve São Jorge, mata este dragão!
Salve Sant'Anna, pede a Joaquim e Maria pra acabar esta agonia!
Olhem com o Amor de Cristo por seus xarás, Jorge e Anna Studart que, na aliança de um Amor também abençoado, seguem unidos na saúde e na doença, amando-se e respeitando-se!
Escuta esta oração por meus padrinhos de casório e, muito além do ilusório, faz do amanhã um lindo dia, da mais louca alegria, vencendo a tal pandemia pela força de um grande amor!
Ouve as preces de sua família e leva embora a febre, a angústia e a preocupação...
Salvem Jorge e Anna e os mantenham unidos na partilha deste amor!
Peçam aos seus amigos anjos e arcanjos que os abençoe com a cura e com suas asas levem a brisa da paz à sua casa...
Salve Jorge...Salve Anna!
Salvem o amor, exemplo de família, templo da fé, história de graças!
Que este tempo passe logo e que voltem os sorrisos!
Filhos, netos e bisnetos, que fazem coro com este pedido, na confiança que serão atendidos para celebrar suas raízes, com um grande e inesquecível abraço no costumeiro almoço de domingo!
Amém!

Os sinais dos tempos no tempo dos sinais...



Olhei para o céu e vi uma nuvem desenhando um anjo e sua trombeta...
Uma canção indecifrável  a nos tocar...
Olhei pela janela e vi um anjo azul da cor do céu a me fitar...
O que estaria a sussurrar com um olhar tão doce?
O que estaria a revelar?
Quanta gentileza trazia pra me ensinar?
Enquanto isso meu coração não parava de pedir ao anjo pra perguntar a Deus...
- Por que eu?
Não haveria alguém com mais merecimento para uma missão tão sublime?
Alguém com mais brilho, com mais conhecimento? Alguém  mais popular?
O anjo apenas me sorriu e aquele sorriso disse tudo o que era preciso para eu simplesmente confiar...
E enquanto nuvem, anjo e trombeta se desfaziam no céu, embalados pelo vento...
... um sentimento de gratidão me invadia e me fazia chorar...
Nada de tristeza, somente alegria...
Uma oração  silenciosa que dizia tudo sem nada falar...

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Geo



Uma música....
Tantas lembranças...
Uma turma....
Identidade...
Uma voz, além do tempo...
Um sentimento,
nossa saudade!
A grandiosidade
impressa
na alma que expressa
uma amizade...
Um grande abrigo...
Inesquecível personagem...
Um grande abraço!
O nosso amigo...
Gordon...
Geo...
Gordo...
Vassilatos...
Valente...
Gente!
Presente...
Intenso
desde a
juventude!
Na plenitude
de suas
verdades!
Lágrimas e
sorrisos
que compõem
nossa emoção...
Um ícone
de nossa geração...
falando
de eternidade
através
da canção!

Saudades



Saudade...
A falta que alguém faz...
O hiato no tempo que fala de distância...
Que tem como trilha sonora o silencio...
E como pano de fundo o vazio...
Saudade...
A ausência do abraço, da gargalhada, da conversa...
Uma dor imersa em nostalgia...
Um retalho de lembranças em poesia...
Uma ausência presente entre lágrimas e sorrisos...
Saudade...
uma rima natural com a simplicidade...
tantas histórias guardadas nas memórias
do fértil terreno baldio do coração!
uma espécie de oração...
Saudade!
Elevação de um bem querer de verdade!
Da esperança que arde
de um novo encontro
em uma outra dimensão...
Saudade...
O eco mais forte de uma amizade...
no ritmo sincero da emoção!

segunda-feira, 8 de junho de 2020

De dentro pra fora ou de fora pra dentro?



De dentro da casa
o ramalhete de flor
se une ao verde de fora,
como se o vidro inexistisse
na transparência
do agora...
Na aquarela do instante
a cor amarela da flor
passeia de mãos dadas
com o sol...
No azul do céu
posso adivinhar
um par de asas
e um canto na janela
a sussurrar:
- vocês são livres,
deixem suas almas
continuarem a brincar!

quinta-feira, 4 de junho de 2020

Como Santa Dulce dos Pobres agiria em tempos de pandemia?





Olhando para as pessoas...
Sentindo compaixão...
Cuidando delas...
Indo além de seus muros...
Sendo luz em tempos escuros!
Inspirada por São Francisco,
chamaria o COVID-19 de Irmão Vírus
e o acolheria como parte da criação divina...
Inspirada por Santo Antônio,
daria um jeito de estar
em mais de um lugar ao mesmo tempo,
para fazer presente o Amor de Cristo!
Inspirada por Nossa Senhora
visitaria todos os que precisassem
de sua ajuda, dizendo sempre sim
ao Cristo revelado naqueles
que procuram abrigo!
Contra a pandemia,
Santa Dulce dos Pobres
agiria sendo portal de esperança,
e contagiaria os outros com sua fé!
Transmitiria a sua confiança
e receitaria doses diária de oração
para fortalecer a imunidade
contra as tentações!
Enxergaria Jesus por trás
de cada máscara e, assim,
acolheria cada doente
com a misericórdia do Samaritano!
E, como Santa que é,
nos ofereceria milagres
do impossível,
na simplicidade do possível!
Creio que assim seria!

Sobre a arte! (sobre conversa on line com a Arte-Educadora Mônica Silva)



Toda arte extrapola a razão e o conhecimento...
É dom, mistério, milagre de criação revelado pela inspiração do Amor!
Arte é muito menos cérebro e muito mais coração...
É se pôr, como sol, a serviço da beleza, a serviço do olhar do outro, da troca, do encantamento!
Somos apenas instrumentos do Grande Maestro lá de cima! Cada um com seu dom, na grande orquestra da vida!
E quando a arte abraça a fé e saem juntas, de mãos dadas, passeando, uma oração acaba se revelando, manifestando a presença de Deus em nossas vidas!
É sempre assim quando o coração arde!
Ou será que um olhar silencioso que diz tudo também não é arte?
Uma mão estendida no momento certo não é arte?
Um sorriso que se reparte?
Uma flor oferecida como bálsamo pra dor de alguém...
Tudo é arte do Criador, quando manifestação do Amor!

Oração a Santa Dulce dos Pobres




Santa Dulce dos Pobres
andarilha da compaixão
que, pela tua inspiração,
aprendamos mais e mais
a cuidar...
Aprendamos a enxergar
muito além da razão...
Aprendamos a sentir
superando preconceitos...
Aprendamos a acolher
muito além da aparência...
Aprendamos a coragem
de ir além dos nossos muros...
Aprendamos a servir
nos antecipando
às solicitações...
Aprendamos a amar
vencendo nossas
limitações!
Santa Dulce dos Pobres
que cada um de nós
seja um portal
de esperança
para quem mais
necessita
do Amor de Deus
em suas vidas,

Amém!

De Santa pra Santo... (A Carlinha, Osvaldo e todo o pessoal do MID)



Antônio, meu Santo,
a quem eu amo tanto
meu querido companheiro
meu eterno tesoureiro
imitando seu exemplo
me fiz também um templo
de santidade e amor
em honra a Nosso Senhor...
Neste seu mês de junho
eis-me aqui, de "próprio punho",
pra lhe render homenagens
imitando a sua imagem...
Me pondo diante de Ti
tantas coisas eu aprendi
seguindo os teus santos passos
também levo um menino nos braços
não é seu menino Rei, tão nobre
e, sim, um daqueles meus pobres...
Aqueles a quem voce tanto
me ajudou a ajudar, meu santo...
Aqueles que, pra tantos,
são apenas invisíveis...
Aqueles que, desde pequena,
aprendi a amar tanto
e me fizeram fazer
coisas incríveis!
Tantas foram as alegrias
da missão, no dia a dia...
Aprendi a transformar as sobras
em minhas tão faladas Obras!
Antônio, meu Amigo,
a quem coloquei de castigo
pra resolver os pepinos
dos meus velhos e meninos
e, mesmo em dia de terça,
sua imagem de ponta cabeça
aguardava uma resolução
para os problemas sem solução...
E meu chapa "Toinho",
por quem tenho tanto carinho,
nunca, jamais, me faltou...
Sempre dava um jeitinho
mandava seu recadinho,
como fiel protetor!
Então, não por coincidência,
sempre lhe fiz reverência
e embora frágil e pequena
sempre rezei sua trezena
com todo o meu amor!
Antônio, meu querido,
hoje sou em quem convido
gente de tudo que é canto
pra homenagear meu Santo!
Minha gratidão é tão especial
que dei seu nome ao meu hospital!
E, não contente com isso,
assumi o compromisso
de dar seu nome também
ao meu centro Educacional...
Ah meu Santo Antônio,
minha grande devoção,
pronta para seu responso
sou somente gratidão...
Agora, juntos, no céu
continuo tirando o chapéu
e em  profunda oração,
entrego o meu coração
e tudo o que um dia fiz
entrego hoje, feliz
ao meu protetor de plantão
Cumprindo a minha missão
tendo o amor como rota,
hoje a santa vira devota!

segunda-feira, 1 de junho de 2020

Geo, um mês de saudade!



Há um mês atrás este inesquecível irmão gordo partia daqui para brilhar em palcos celestes!
Difícil acreditar, Geo, que você já não está mais fisicamente entre nós!
Daqui da Terra as notícias não são as melhores, não...
O Corona que te levou segue implacável, assustando, contaminando e levando mais e mais gente do nosso planeta...
Nenhum sinal de mudança à vista, irmão...
O ser humano parece não querer aprender, parece nem mesmo querer tentar compreender que muito do que se passa está diretamente ligado ao seu perdulário modo de vida...
De notícia boa, um destaque importante... As acompanhantes que você selecionou a dedo estão desempenhando brilhantemente seu papel com Tia Lia... Temos acompanhado tudo de perto, dando o tempo de luto a ela, mas seu DNA Valente está vivo nesta mulher admiravelmente lúcida e prática, que está superando sua partida, irmão, com doses muito bem equilibradas de humor, saudade e, sobretudo, oração e fé! Sua mãe está firme e forte em sintonia com o Pai Eterno e os Padres Wellington e Robson, este último carinhosamente batizado por ela como "meu chapa"!
Pois é irmão... A política continua nos provocando engulhos, a mídia e a justiça cada vez mais parciais e nosso país segue no seu processo metamorfósico de pseudo-nação Tupiniquim...
Entrar na sua rua tem sido difícil, irmão... A rua Dra Praguer Fróes enche nossos olhos de lágrimas, assim como a saudade de nossos intermináveis e inesquecíveis papos por telefone!
Com quem desabafar sobre as questões que tanto nos afligiam e com as quais digladiávamos verbalmente, respeitosa e carinhosamente, mesmo quando divergíamos totalmente deste ou daquele assunto...
Um mês de profunda saudade aqui em casa... Dôra todo dia às 18 hs, ouvindo a Ave Maria da janela, olha para o céu e, entre lágrimas, lembra de como foi especial e inesquecível o por do sol do dia 1º de Maio, quando voce nos disse bye! Let, escondendo sua emoção na característica timidez dela
Uma família se formou pela sua amizade, meu irmão... Gente que a todo momento posta uma imagem, uma lembrança, dá um depoimento de saudade, reunida pelo amor que voce espalhou pelo mundo!
Como pessoa de fé, não há como não recordar, cada vez que comungamos um desses momentos, das palavras do próprio Cristo aos seus amigos:
"-Fazei isso em minha memória!"
Assim temos celebrado sua presença, sempre muito viva em nossas mentes e corações...Com alegria, emoção, saudade e profunda gratidão pelo privilégio de termos convivido com alguém tão único como você!
Seu velório, virtual por causa do COVID 19, reunião pessoas tão diferentes e distantes, que choraram e sorriram juntas, e tornaram mais leve a impossibilidade de estarem reunida fisicamente para se abraçarem e te dizerem até um dia!
Esta pequena homenagem, na sua inesquecível voz. traz novas fotos que alguns destes amigos nos enviaram, de tempos distantes e outros mais próximos...
Além de matar um pouco de nossa saudade, irmão, representa o quanto cada um de nós se sentia acarinhado e aconchegado no seu abraço, no seu cuidado, na sua atenção!
Neste primeiro dia de junho, nossa prece por você, na certeza de que se encontra num lugar muito especial da criação amorosa do Pai!
Fica com Deus e vê se consegue, daí de cima, interceder por nós, com uma daquelas suas "chamadas homéricas", de fazer São Jorge corar.... Por falar no Santo de seu nome, chama seu xará e dá um jeito de matar este "dragão" viral pra gente poder tentar reconstruir as coisas por aqui...
Muita paz e luz aonde você estiver!
Com a amizade de sempre, só que numa outra dimensão!


segunda-feira, 25 de maio de 2020

Chamado...



Eu não sei
quanto tempo terei
pra espalhar meu abraço
e sorrir com o olhar
Contra as leis
deste mundo perdido
eu lutei
renovando a esperança
em meu Deus

Sinto a luz aquecer
e inspirar corações
e o milagre brotar
das canções
Ouço a brisa dizer
o que sopra tua dor
o que canta o Amor
o que cala em você...

Eu não sei
quanto tempo levei
pra acertar o meu passo
e enfim te encontrar
Contra as leis
de uma vida sem sentido
eu lutei
estreitando a confiança
em meu Deus

Vejo a paz renascer
no tempo dos perdões
e a certeza embalar
orações...
Sinto Deus lhe dizer
que abraça sua dor
por Amor,
Deus morreu por você...

domingo, 24 de maio de 2020

Anunciação!!!



Não tenha medo, Maria
O Anjo está ao seu lado...
Escute o lindo chamado
pra fazer a diferença...

Não tenha medo, Maria
eis que dará a luz
num tempo em que as trevas
querem ditar o que se pensa...

Não tenha medo, Maria
O Espírito soprará sobre ti!
E todos vão te ouvir
e tudo será alegria!

Não tenha medo, Maria
seu destino abençoado
é cuidar do bom legado
de um Amor que contagia! 

Bastante!




Não dá mais
pra olhar
quem passa fome
e não fazer nada...
e ficar em paz...
Isso tem nome
e é como um espada
é a indiferença
que fere ainda mais!

Não dá mais
pra olhar
quem está ao lado
e ficar parado...
encontrando os "mas"...
Omissão é pecado
que nos tira da estrada
o egoísmo é uma doença
que mata demais...

Mas agora
temos uma escolha
de fazer diferente
de como era antes...
Agora
temos uma chance
escolher ser gente
nos tornar gigantes...

E aí? O que vai ser?
Mais uma dose do mesmo?
Ou tentar outro caminho?
E então? Como vai ser?
Vagaremos a esmo
ou voltaremos ao ninho?

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Lição de Casa


Ninguém aprendeu
nada com tudo isso?
A fórmula não vai mudar?
O ilusório justificando
o omisso...
Ainda importa a conta
e quem vai pagar...
Ninguém aprendeu
nada todo este tempo,
sobre o que realmente
deve importar?
O transitório vale
este momento...
mesmo que ninguém
deva transitar...
Ninguém aprendeu
nada com o insulamento?
Ninguém sentiu falta
de abraçar?
Contraditório
este comportamento...
Há solidão em
qualquer lugar...
Ninguém aprendeu
nada com a quarentena?
O repertório
não vai mudar?
O mesmo canal
fixo na antena...
Lição de casa
pra decorar...

Festa do Então


Pé no chão, irmão...
Fé no então!
Então seremos luz...
É na cruz, irmão...
que o Amor conduz...
na encruzilhada,
entre o vertical
e o horizontal...
enxergamos nossa estrada...
Ali, Deus feito gente
entrega seu Espírito
num rito de perdão,
Amor e desprendimento...
O resto é nada!
Pé no chão, irmão...
fincar nossas pegadas!
A solidão da estrada
faz parte da missão!
Quantos cairão
ao nosso lado?
Quantos permanecerão?
Quantos escutarão
seu chamado?
O brado da
Tua Paixão?
Pé no então, irmão!
Fé no grão!
Na semente
que se faz presente...
nos pescadores
de gente...
no ofício
do cristão!
Fé no irmão...
Pé no então...
então seremos sal...
É no Amor, irmão...
no encontro
entre o horizontal
e o vertical
que a fé nos testa
que Deus se manifesta
e nos chama pra festa
de sua própria criação!

O Nada do Ilusório


Vida a cada dia
Todo dia é vida
dádiva querida
saudade, alegria
Sorte em cada lida
morte que se adia
tempos de partida
sonho reinicia...

E o tempo apontando
como tudo é transitório...
o tempo vai mostrando
o grande nada do ilusório...

Tempos de agonia
medo, risco, vida...
corda bamba, fria
dor desequilibra...
Morte chega perto
coração insular...
confinado, deserto...
solidão como lar...

E o tempo apontando
como tudo é transitório...
o tempo vai mostrando
o grande nada do ilusório...

Tempos de esperança
aos sobreviventes
voltar a ser criança
reaprender a ser gente!
Vida chega junto
temos que mudar...
não mudar de assunto
quando isso passar...

E o tempo apontando
como tudo é transitório...
o tempo vai mostrando
o grande nada do ilusório...

sábado, 16 de maio de 2020

Tio Tárcio! (in memorian)



Desde pequeno uma coisa sempre me fascinou em sua vida aqui na Terra: como um cara tão "pé no chão" amava tanto estar entre as nuvens?
Sempre positivo, às vezes impositivo, com uma autoridade que não deixava espaços pra questionamentos, você conseguia, ao mesmo tempo, transmitir uma doçura, um cuidado, uma atenção, como poucos que conheci...
Teria muitas coisas pra partilhar aqui, entre lembranças do Rio, de Volta Redonda, de Bracuí...
Mas o coração vai transbordar agora apenas uma trindade de saudades...
A primeira, em minha infância, vendo você e Vinícius voando num teco-teco...Você, sem saber, realizando o sonho de meu irmão... Nós, daqui de baixo, com o coração na mão...Até que vocês pousaram e nunca vou esquecer o brilho no olhar dos dois, partilhando um pouco do céu com os pobres e humildes mortais que ali aguardavam os heróis que tinham acabado de voar...
A segunda lembrança, um dia aqui na praia de Salvador, bem pouco depois do encontro de meu pai com Deus... No meio de tanta dor e saudade, o seu esforço para manter a sua família e este improvisado cicerone com o mínimo de astral possível, foi profundamente significativo e comovente para aquele adolescente de 13 anos que acabara de se despedir do pai...
Finalmente, a terceira lembrança, eu já adulto, há poucos anos, quando voltamos a nos comunicar por causa do inventário de Tio Luiz Carlos. Lembro de muita afinidade, bem querer e bom humor em nossas conversas por celular. Particularmente lembro da sua risada quando se referia à forma que eu assinava os e-mails e mensagens como os" Didieres" de Salvador...
De lá pra cá, vez por outra, trocávamos posts sobre tecnologia, natureza, pousos e decolagens, entre outros...
Neste momento em que você decola para outra dimensão, Tio, confio de coração que seu vôo tenha sido tranquilo e seguro, com um pouso perfeito no colo do Grande Pai!
Sei que deixou muitos legados, dignos de admiração. Vou registrar aqui os dois principais que conheço: a formação e educação de suas duas filhas, minhas queridas primas Paula e Andréa! Elas e suas famílias falam muito sobre os pais que tiveram! Gratidão por tudo Tio Tárcio! Até um dia!

Contemplação


No silencio da oração
deixe o coração cantar
transformando em canção
o que Deus irmão falar

Dar vazão à própria fé
mergulhar, contemplação...
Gratidão estar de pé,
minha vida em Tuas mãos!

"Quem quiser
salvar sua vida,
irá perdê-la,
mas quem a entrega
por mim,
se salvará..."
No infinito,
a luz do Amor
se torna estrela...
Nossa vida
não tem fim,
em Deus será!

Num momento um violão
deixa a voz de Deus falar
toda paz e mansidão
chegam para aconchegar...

Entregar o que se é,
repartir-se, virar pão,
tudo o que Ele nos disser,
ser milagre, comunhão!

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Seguindo os passos da Santa dos Pobres



Um ano após o anúncio da sua canonização, hoje tivemos o privilégio de seguir seus costumeiros passos pela Península Itapagipana, levando a sua imagem num carro aberto. Tentamos fazer da forma mais parecida possível com a sua história, fiéis ao seu legado de simplicidade e aos seus valores. Silenciosamente, sem alarde, sem avisar à imprensa, apenas percorrendo as mesmas ruas, fazendo o mesmo trajeto, oferecendo ao seu povo a doçura da sua presença, como a sussurrar, em tempos tão difíceis:
- "Tenham fé, eu continuo presente!"
Como não nos emocionar e não elevar uma prece de ação de graças a Deus pelas reações que testemunhamos?
Pessoas de todas as idades se benzendo, acenando, gritando seu nome, estendendo as mãos, parando tudo para lhe ver passar. Gente abrindo sorrisos, gente fazendo o rosto se iluminar, gente se derretendo lágrimas de emoção, saudade e gratidão pela certeza da sua presença! Gente simples, verdadeira, transparente, amorosa, pura, gente cheia de fé no coração!
Em cada rua, seja nas esquinas ou nas janelas, uma expressão viva de bem querer, uma manifestação espontânea de respeito, um olhar terno e agradecido em direção à imagem do Anjo Bom da Bahia...
Nas ruas e calçadas acidentadas, de paralelepípedos irregulares e asfalto gasto, sentimos estar seguindo seus passos, oferecendo seus abraços, multiplicando suas bênçãos...
Em cada gesto carinhoso em sua direção, passado, presente e futuro reunidos entre lembranças e pedidos, sonhos e orações, preces e agradecimentos dos milhares de devotos deste seu imenso santuário ao ar livre que costumamos chamar de Cidade Baixa...
No dia de Nossa Senhora de Fátima, Santa Dulce dos Pobres aparece para visitar os seus, levando sua poderosa intercessão junto a Deus!
Humildemente, quase que anonimamente, ela simplesmente passa e se faz presente entre nossa gente...Do céu, expressão de sua alegria, uma chuva intensa e constante, inundando de graças e bênçãos este dia repleto de luz, fé e muito amor!
Neste dia tão especial, seguindo os passos da Santa dos Pobres, fomos direcionados por ela a encontrar a trilha da verdadeira riqueza: seu legado de caridade, solidariedade, espiritualidade e acolhimento!
Amar e Servir! A melhor forma de expressar nossa gratidão á sua Santidade!

Esperança no Olhar (Inspirado na arte de Henrique Studart)



Sim...
Há  esperança...
Mesmo quando a vida nos tira pra dançar em ritmos que desconhecemos e que nos assustam, cada um de nós e a vida, ainda assim, formamos um par...
É preciso acreditar e seguir em frente, tendo coração e mente felizes pela oportunidade de sermos eternos aprendizes...
Sim...
Há  esperança!
Sempre que a arte é a oração  resolvem caminhar de mãos dadas elas conseguem tocar nossas almas e o coração de Deus...
E, embora continuemos a não saber o que fazemos, há um Pai nos protegendo e acolhendo os que chama pra si!
No traço do artista inspirado, uma certeza: a beleza do tempo do abraço  irá voltar...
E ele terá a mesma intensidade com que as mãos da criança decidem abraçar o terço pra rezar...
SIm...
Há esperança...
Doce, terna e mansa, ela parece insistir e se manifesta de tantas formas... sobretudo no olhar...
Mesmo um olhar em preto e branco...
Que nos fala tanto...
Mesmo sem falar! 

domingo, 10 de maio de 2020

Para além do deserto...(à Irmãe Gisa, gratidão pelo retiro virtual)



Seguindo lentamente as pegadas na areia, num tempo muito próprio para andarmos em dois, como em Emaús, escutamos a voz que clama e nos inflama, como Tocha Viva (ou seria Tocha Gisa, aquela que nos batiza com a graça do retiro, luz que se acende pelo amor....)
Na contemplação da imensidão do deserto, enquanto as ruas estão vazias e silenciosas, fomos percebendo, durante cada escuta, que, com Cristo ao nosso lado, o deserto é tão fértil que pode nos transfigurar em jardins regados...
Que imagem linda!!!! Dentro deste jardim, talvez nas vizinhanças da Casa de Bethânia, descobrimos que a Galiléia mais pobre é a formada pelos nossos corações baldios...Terrenos vazios e murados por tradições e conceitos, heranças e indiferenças...Para além destes desertos pessoais, o Cristo que "deixou todas as vantagens de ser Deus para abraçar todas as desvantagens de ser humano" nos convida a viver diariamente o lava-pés...Mas, Senhor, onde encontrar água para fazer isto, em nosso próprio deserto interior?
Tenho sede.... Na mística do instante, a contemplação clara de Jesus na cruz, sendo transpassado pela lança do romano, em seu Amor tão humano, no esplendor de sua divindade....De sua chaga, saem sangue e água...Respostas.... De nossas chagas, água para cuidar das chagas dos caídos, daqueles de quem não podemos nos desviar no caminho... E assim aliviar nossas próprias dores...De nosso sangue, compreensão para, finalmente, redimir a herança de Caim e, acima do ilusório e após os templos de nossas certezas desmoronarem, nos sentirmos responsáveis pelo outro, libertos da apatia e do medo de encarar a nossa própria vulnerabilidade....
Mas, de onde vem este vento que fala ao coração e alivia a nossa agonia? Será o rufar das asas que sobrevoam tantos irmãos buscantes, partilhando este deserto, e estas pegadas, alimentados pelo maná da Palavra, "encanto de nosso coração"?
Sim, de onde vem este calor que abrasa os corações na escuridão da noite, em pleno vale das sombras? Será das línguas de fogo que cintilam a LUZ DO MUNDO, enquanto tantos irmãos dançam conosco numa doce ciranda?
De volta do deserto, voltamos também do retiro, aprendizes iniciantes do idioma da Trindade... Dom, acolhimento...partilha...comunhão... Que deserto é este, Senhor, que nos alimenta o coração? O eco da voz que clama continua a repetir que "o desejo de Deus já é uma oração!" Colunas sobre a Rocha...Fortunas de uma Tocha em suas tantas dimensões...
Temos pressa em ver e ouvir a resposta do Senhor à nossa pergunta mais óbvia:
- Aonde vais?
Temos pressa em aceitar o generoso convite do Amor:
- Vinde e vede!
Temos sede de responder a pergunta de Jesus:
- O que vocês procuram?
Procuramos conseguir atender o seu convite diário para lhe seguir, Mestre, mesmo sem saber ainda direito como fazer...
Senhor... só te pedimos o necessário para viver...
Senhor... só te pedimos o necessário...
Senhor...só te pedimos...
Transfigura nossa gratidão por este retiro em bênçãos e graças para o Recanto...
Lá o Amor é tanto que cura!
Lar é o coração de quem nos transfigura....

terça-feira, 5 de maio de 2020

Em nossas asas...




Dentro das nossas casas
existem asas pra gente usar
coração que fica em brasa
quando o Amor vem nos inspirar

Dentro das nossas portas
Deus nos conforta, nos faz seu lar
oração que nunca atrasa
quando é o Amor que chama pra rezar!

Dentro das nossas janelas
existem telas pra nos mostrar
que as cores continuam belas
que vale a pena parar pra olhar

Fora de nossos eixos
o mundo para
para questionar...

qual será nossa saída,
além de amar?

segunda-feira, 4 de maio de 2020

N. Sra. do Espelho (a Pe, João)



No espelho, a gratidão se revela...
Sim, é ela!
Aquela cujo Espírito
exulta  em Deus...
Aquela que as gerações
hão de aclamar
bem aventurada
e bendita
entre todas as mulheres...
Aquela que reflete
a luz divina
até quando seu coração
é transpassado
pela dor...
O Amor emoldura seus traços...
Seus braços são molduras do Amor!!!
Bendita sois
entre todos os reflexos
da criação...
porque destes a luz
à Luz!
Senhora, Rainha,
Divina, que nos faz enxergar
além do teu reflexo no espelho
a nossa própria figura,
criaturas que somos
à imagem e semelhança
do Deus Amor!

Deus Amor (Prece pelos enfermos)



Deus Amor
Pai de toda criação...
Afugenta a angústia de nosso coração esvaziado
e sopra dentro dele esperança!
Deus Amor
Irmão de toda Salvação....
Expulsa de nós todo receio
e nos abraça para que exultemos confiança...
Deus Amor
Brisa defensora, chama viva
Desce sobre nós e frutifica
para que sintamos sempre tua presença mansa...
Deus Amor
Trindade bendita....
Pai, Filho em Espírito e Verdade...
Compaixão infinita...
Acalenta nossos corações e nos embala nos caminhos da fé!
Tudo é possível em Tuas mãos, meu Senhor!

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Saudade (Ao irmão de vida George Valente Vassilatos)



Geo, meu irmão, quantas vezes em nossas vidas, desde que fomos colegas na adolescência, conversamos e brincamos sobre este momento...
A mudança de dimensão...
Quantas vezes, nas longas conversas por telefone, um empurrava pro outro a difícil missão de ficar e ter que lidar com a dor da saudade e da ausência...
Quantas vezes, e eu recordo isso entre lágrimas e sorrisos, você não me disse que "eu ia ter que arranjar um guindaste pra me ajudar a carregar o seu caixão"...
Tempos do Geo Gordo, com quem a gente tanto brincava e curtia...
Muitas saudades...
Depois vieram os tempos da doença, das químios, das internações, das orações...
Tempos difíceis, quando mais do que nunca tive que aprender com você, às vezes duramente, o quanto a amizade está ligada ao respeito...
E pude entender que, mesmo discordando absolutamente de várias de suas decisões, meu papel de irmão não me permitia, naquele seu momento, colocar minhas opiniões acima de sua verdade e da nossa amizade!
Quanto aprendi com você, irmão, em todos estes quase 40 anos de amizade....
Dia difícil hoje, meu irmão...Semana muito difícil....Uma dor profunda, muito difícil de administrar...contra a qual só tenho dois escudos: a missão de cuidar de Tia Lia e a profunda gratidão de ter o privilégio de tua irmandade até o fim desta etapa que vivemos aqui na Terra...
Da última vez que nos encontramos pudemos conversar sobre a vida e sobre Deus, choramos e rimos juntos e, mais uma vez, voce me chamou de "Pollianesco Irmão"... E pudemos partilhar sobre a certeza de um Pai que não exclui ninguém que o procura com o coração aberto e sincero...
Pois é Geozinho...com o coração profundamente sentido e saudoso, seu amigo "polliana" continua a acreditar no melhor! Continua a ter fé de que você está bem, agora, nos braços de um Deus amoroso que sabe muito bem as toneladas de amor e bem que você trazia dentro de si e generosamente distribuía pelo mundo! Se nós, tão falhos e humanos, podemos experimentar um amor incondicional por nossos filhos, como não confiar no amor deste Pai, criador de cada um de nós?
As lágrimas vêm,(como impedir)?
Dora e Let que aprenderam a amar e admirar tanto este seu jeito, partilha a mesma saudade e sentimentos... Pausa no isolamento para um abraço em família "in memorian" de alguém que está presente de tantas formas em nossas vidas e em nosso lar. Quantos mimos te fazem e farão presentes aqui enquanto estivermos nesta casa...Quantas lembranças de sua vinda aqui...
Mas em se tratando de você, como não chegar na mesma hora uma lembrança que também nos traga
alegria, que nos faça rir...Os "causos" que voce nos contava, as vezes em que voce vociferava e revivia as emoções que sentiu em alguma situação vivida, para logo depois amansar o ambiente com sua ternura e doçura tão próprias?
Geo, meu irmão...Voce vai fazer muita falta num mundo que precisa tanto de gente como você!!! Gente transparente, verdadeira, sincera, muitas vezes além do ponto. Alguém tão educado (uma das pessoas mais educadas que já conheci), mas com uma capacidade admirável de se fazer admirar e amar até nos momentos do mais absoluto descontrole...
Falar o que de alguém incrivelmente tão singular e tão plural? Uma admirável cultura, um profundo senso crítico, um olhar detalhista e observador, uma voz impecável, um comediante nato, um poeta escondido, o cara que foi capaz de dar a Salvador uma casa de arte digna de qualquer capital européia, seu gabinete de artes... Em todas estas atuações, uma ética impecável, uma honestidade implacável, um bom gosto incontestável! Mas tudo isso era "fichinha" diante da generosidade do amigo (quantas pessoas voce não ajudou nesta vida?), diante das relações humanas que conseguia manter com todo o tipo de gente, sabendo o nome de todas as pessoas que passavam por seu caminho. Garçons, enfermeiros, maqueiros, manobristas, secretarias, enfim, muitos dos que são
invisibilizados por suas funções, você conhecia pelo nome e, muitas vezes, pela história de vida!
Como você mesmo fazia questão de frisar, estas qualidades todas não lhe faziam um santo. Havia o outro lado, que você dizia vir do seu lado grego, aquele que lhe fazia ir do zero ao cem em segundos, aquele que lhe fazia gritar, às vezes, "ame-me ou deixe-me!", que na sua própria descrição "transformava o delicado lorde inglês em um Ogro". Mas tinha algo tão visceralmente humano até nisto, meu irmão, que nesta mistura ímpar de mãe baiana com pai grego, nascido em Nova York, havia alguma pitada de muito divino, sem dúvida nenhuma! Nas poucas vezes em que pudemos estar juntos em algum rito religioso, chamava a atenção a sua contrição e sua preocupação com o sagrado!


E, falando em sagrado, do alto do seu calvário, como não falar do filho absolutamente dedicado que, até os últimos momentos, procurou preservar a Mãe de tudo, cuidando para que ela fosse sabendo aos poucos da sua situação, tentando ter o controle para que ela mesma mantivesse o controle e a paz...Quanto amor e dedicação, não é Geo? Aliás nossas mães eram o assunto mais frequente nos nossos papos de um ano pra cá...
Bom, irmão, você sempre soube que, desde que me entendo por gente, o papel é minha válvula de escape...Então, olhando este lindo por do sol, da sua Barra, ergo uma prece de gratidão ao crepúsculo da sua vida. Você encheu os olhos e os corações de todos os que lhe conheceram com cor, beleza e muita vida! Em cada amigo voce fez um irmão, em cada pessoa você fez um fã! Ao fechar das cortinas, neste último ato onde o Valente deu lugar ao Vassilatos, aplausos de pé e uma enorme gratidão a Deus por sua existência! Vá em paz, meu irmão! Amamos você para sempre!