sábado, 23 de janeiro de 2021

LIBERDADE INTERIOR

 



Você é livre pra voar
no céu azul daí de dentro
você é livre pra julgar
quem vale a pena estar no centro!

Os seus caminhos pra plantar
suas verdades pra colher
seus sonhos para lapidar
e cada espinho agradecer

Você é livre pra ser par
mas não aceite ser mais um
se decidir pode ser mar
mas seja sal, mesmo comum... 

Tanta amizade pra regar
tanto horizonte a intuir
abraço pra valorizar
e tanta ponte construir

Você é livre pra sonhar
e pra fazer acontecer
segredo pra saber guardar
sagrado pra reconhecer 

Você é livre pra ser par
mas não aceite ser mais um
se decidir pode ser mar
mas seja sal, mesmo comum... 

Valer a Vida




Canção de vento
vai deixando pra trás
um sentimento
que a voz já calou
uma miragem
violeta ou lilás
uma oração
que alguém sussurrou

Ainda é tempo
de buscar a paz
abrir o templo
ao olhar que falou
seguir o exemplo
de gente que faz
ser diferença
se alguém precisou

E a mão estendida
faz valer a vida
faz brilhar o Amor!
A mão estendida
cura as feridas
que o mundio sangrou!

Lição do tempo
que nos fala do Bem
doces momentos
que um dia deixou
e na bagagem
razões de ir além
um mapa, a trilha
que alguém nos deixou

Na voz do vento
os ecos da luz
no pensamento
os sonhos da cruz
no coração
o Amor que induz:
perdoe ofensas
que alguém te falou!

E a mão estendida
faz valer a vida
faz brilhar o Amor!
A mão estendida
cura as feridas
que o mundio sangrou!

Casal Amado





Dois, no caminho, nús
Francisco e Jesus
carregando a Cruz
ou como em Emaús,
sem ver uma luz,
coroa de espinhos...
Dois, não estão mais sós
o Amor é veloz
se o mundo feroz
quer atar seus nós
e calar nossa voz
em tempos daninhos...
Dois, um casal amado,
um altar sagrado
que se fez Família!
Dois, tão abençoados,
sentem-se abraçados
Deus faz maravilhas!!!
Dois, doce humildade,
viva humanidade
ter a liberdade
pra ser de verdade
na fraternidade
ver o Deus presente!
Dois, próximos distantes
no Amor orante
brilho, diamante,
fé revigorante
no Amor gigante
que a família sente!
Dois, um casal amado,
um altar sagrado
que se fez Família!
Dois, tão abençoados,
sentem-se abraçados
Deus faz maravilhas!!!

Previsões?




De repente é de novo Janeiro
e a vida segue em sua luta
como a prostituta 
que não teve réveillon
pra ganhar seu dinheiro
dos clientes no bem bom...

Não haverá carnaval em fevereiro!
Quem sabe alguém entende, finalmente,
que alegria e festa pra gente
deveria ser apenas entender
que basta-nos o milagre de estar aqui
e sermos bons!
O beijo passageiro, 
roubado por algum aventureiro
é artificial como gosto de batom!

O que virá em Março?
Além das águas cantadas
pela Elis e pelo Tom?
Quem sabe o som do assobio
de alguém mais feliz,
com a esperança de ver
a vida voltar ao seu modo raiz...

As flores de Abril
que o Poeta e o Violão
nos apresentaram um dia, 
será que elas se abrirão?

E o vento de Maio
do Borges Salomão
voltará a soprar,
dizendo segredos ao coração?

Em Junho vamos celebrar ou não
o Rei do Baião?
Só o velho Lua pra dizer
se haverá Carnaval ou São João...

Julho nos trará ou não
o Caboclo e a Cabocla
oferecendo finalmente a liberdade
pra essa gente que vive 
seus dias de plantão
nos hospitais da cidade...

E em Agosto, será que poderemos
celebrar nossa Santa Primeira,
com o doce sabor de ver seus pobres
já tendo recebido a vacinação?

Setembro nos trará, enfim, novas cores
para sairmos do luto e das dores
que este tempo de angústia nos trouxe?
Saudades e lágrimas, como estarão?

Em Outubro, como crianças,
será que faremos a ciranda
para nos abraçar novamente
com a esperança muito além 
das janelas e varandas?

E Novembro, nos encontrará
ainda com vida, celebrando a sobrevivência
a esta pandemia tão sofrida,
conquistando o triunfo da resiliência?

Dezembro, será, de fato,
tempo de mudar nosso destino,
tocando todos os sinos
para agradecer ao Deus Menino
por nos livrar de todo mal,
oferecendo o coração de cada homem
pulsando em sintonia
com o Espírito de Natal!

Que este ano nos traga de novo
a consciência de nossa missão
em ser LUZ e ser SAL!






Octogenária criança



Sons que trazem memórias
histórias de uma vida sem lembranças
as partituras de uma trajetória
nas aventuras de uma octogenária criança...

A música vencendo a enfermidade
trazendo algum alívio momentâneo
à angústia vinda da realidade
de que o passado dissolveu-se no instantâneo!
 
A voz grave do artista preferido
dando vazão ao dique represado
dando à letra e à melodia outro sentido
na ilusão que vem de um canto antecipado!

A melodia harmonizando a confusão
a transfusão de um passeio delicado
o céu azul, o ritual, a oração
libertação do ser humano confinado

Surpresas no caminho



O verso da contra-capa
não cala a verdade da prosa...
mas o desenho da capa, às avessas,
declama uma poesia silenciosa...

O inverso do papo-reto
o laudo da contra-prova...
a dor, a morte, o veto
disfarçados na subliminar misteriosa...

Cada pétala da rosa dilacerada
cada plano ruindo, num repente...
o espinho desiludindo sobre o controle de tudo
o espírito desiludido com a cruz à sua frente!

O avesso do contra-canto
o eco sobre a dádiva da morte...
a dívida sobre o milagre da vida!
a dúvida sobre o tempo e sua sorte...

O espectro do contraponto
o séquito da majestade ensimesmado
ultrajado pela nudez do solitário
solidária sensatez, o adeus chorado!


Mudanças




Tudo mudou!
Menos a essência...
A consciência do que fui e do que sou...
A busca pela coerência!
A impermanência...
A humanidade, a imperfeição, a dor!
No espelho de mim mesmo, a transparência!
A nudez de Francisco por Amor!
Nada mudou!
Apenas a vivência,,,
A inconsistência à qual o mundo se obrigou!
As máscaras e as distâncias, mesmo na presença...
A sentença de morte que um abraço se tornou...
Será mesmo?
Os sonhos permanecem, mesmo quando as saudades envelhecem!
A fé resiste, de pé!
A fé, insiste, de joelhos!
Abraça a oração e traz ao coração a paz de quem acredita 
num Amor que não desiste!
A pandemia?
Um laboratório de revelações um tanto sofridas!
Mortes, cortes e mudanças de nortes em vida..
A crisálida ferida...
A metamorfose sentida...
As asas de um tempo em flor...
A entrega, a espera, a luz partida,,,
Retalhos dos milagres recebidos...
Cicatrizes no adeus de alguns sentidos...
Quando a Vida muda...
Uma nova muda é recebida...
Cavar o chão...
Usar as mãos...
Plantar o grão...
Ressuscitar no pão oferecido!

 

domingo, 17 de janeiro de 2021

O PULMÂO DO MUNDO SEM OXIGÊNIO!




Como assim, o "Pulmão do Mundo" sem oxigênio?
Somos capazes de tantos absurdos...
De tantos atentados à vida dos semelhantes...
Ficamos irracionais ou apenas surdos?
Ou com o coração mais duro que diamante?
O que acontece em Manaus nestes dias nos salta aos olhos...
E aqui não vai nenhuma fala política, mas um desabafo humano!
No que temos nos tornado?
Quantas pessoas temos colocado em risco por causa de pequenos prazeres?
Somos incapazes de sacrificar um reveillon por aqueles que precisam de nosso isolamento?
Por que? Para que?
Que sinal mais simbólico que o "pulmão do mundo" sofrer por falta de oxigênio nós ainda queremos?
A responsabilidade disso é de cada um daqueles que foram se divertir e festejar a virada de um ano que não acabou!
Quantas vidas mais teremos que perder?
Quantas agonias teremos que presenciar?
Será que nem o remorso nos tira o ar?
É muito fácil culpar governos, administradores da saúde, sejam eles federais, estaduias ou municipais...
Mas será que ninguém se olha no espelho?
Será que ninguém faz o "mea culpa" pela evolução absurda de números de vítimas e contaminados pelo COVID-19?
Ninguém tem o menor sentimento de piedade diante do esgotamento físico e mental das equipes de saúde em todo mundo?
Nem por um segundo?
Nem por um instante vamos compreender e agir de forma coerente com o sentido daquilo que chamamos humanidade?
Não aprendemos nada com 2020?
Vamos continuar sendo uma raça predatória de si mesma e de seu habitat?
Aonde queremos (ou não queremos) chegar?
Somos capazes de tamanhos absurdos que o chão parece nos faltar...
A dor que infesta o planeta não diz nada a você?
As lágrimas, a tristeza, a solidão, a saudade de tantas pessoas não ecoa aí dentro?
A morte aos milhões não ressoa?
O "Pulmão do Mundo" procura um pouco de ar fresco para respirar...
Para tentar renovar cada célula e continuar a viver...
O ^Pulmão do Mundo", para além da Amazônia, sou eu, é você, é esta raça que parece não se importar...
É tempo de mudar!
De nos conscientizarmos de que o mundo que sonhamos começa em nós!
Numa transformação urgente para um pensamento coletivo...
Mais ainda: numa evolução emergencial para um sentimento coletivo!
Permanecermos vivos depende de nós!
Depende de abraçarmos a arte de amar o todo!
Fazer a nossa parte e ser tudo!
Sim, somos capazes de grandes absurdos...
Então, por que não buscar nas entranhas a força vital para amarmos absurdamente?
Este é o chamado da Vida!
Escute-o! Assuma este compromisso!
Respire fundo! Não seja omisso!
A volta de um tempo de paz começa em você! 
Depende de você!
Seja oxigênio para o outro! Seja ar, seja vento!
Seja exemplo!
A gente precisa mudar!  

Saara atual




A taça está cheia
a tristeza invade
o Cálice transborda
há dor de verdade

A lua está cheia
beleza e majestade
o universo se acende
esperança jade

Ver de novo aquele olhar
falando das coisas do céu
das coisas de se sonhar
dos versos do menestrel

A praça está triste
um vazio dentro da gente
lembrando a saudade que insiste
de um tempo tão diferente

O abraço é o laço que resiste
um resto de rio no deserto que se sente
e antes mesmo que se aviste
a miragem é algo que se pressente



sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Os mantos azuis e brancos da minha Dulce

 



Brincar de branco e azul
contar carneirinhos no céu
brincar de azul e branco
contar os navios no mar
E, enquanto, o cérebro
parece "pegar no tranco"
simplesmente caminhar
sem se orientar pelo norte 
ou pelo sul...
O Amor não precisa 
nem de bússola e nem de véu!
Nos primeiros passos insistir
para a preguiça vencer
dar o braço, persistir
até você mesma querer...
Todo cuidado é pouco
pra você não cair
pra máscara não cair
pra você não pegar no rosto...
Num instante você parece pegar gosto
alteia as mangas da camisa
e como a flor que precisa do sol
pega o momento e eterniza
lembrando a cor antiga do farol!
Brincar de viver o que resta
se imaginar na floresta
respirar o ar mais puro
ir além do próprio muro
e abraçar o presente...
Apenas se sentir segura
quando repetidamente procura
e encontra alguém ao seu lado!
Estar aqui é meu recado!
Uma forma de pedir licença
a esta estranha doença
e simplesmente repetir,
na minha forma de ser,
que eu continuo amando você!