terça-feira, 5 de novembro de 2019

Rapidinha...



E Deus disse em mim,
depois de uma semana
de escuta e de troca:
"Por alguns dias
eu entreguei meu tempo
mais ao ofício de fazer
do que ao exercício
de criar..."
De volta ao melhor amigo,
ao papel, este generoso abrigo,
sinto que toquei o céu...

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Nos passos de uma santa



A cada dia uma descoberta, um presente...
Mais e mais gente com a alma aberta, nas trilhas do bem...
Do Hospital ao Santuário, tornam-se visíveis as pegadas do Amor!
Percorrendo os caminhos da Santa, vendo tanta gente sarar sua dor,
a emoção se agiganta, tudo é milagre de Amor!
No labirinto de corredores, tudo é memorial do seu CAMINHO!
No Evangelho oferecido em suas paredes, tudo exala sua VERDADE!
Nos olhares e sorrisos acolhedores, tudo expressa a sua VIDA!
Voluntários, protetores, sócios, colaboradores, médicos, enfermeiros, seguranças, conselheiros,
técnicos, gestores, amigas e irmãos de Dulce!
Irmãos de sua obra, deste Amor que sobra e por isso mesmo se doa e se renova!
Sua fortaleza é tão sensível no sorriso que desarma, na emoção que contagia, na paz de uma palavra,
na oração como via, no abraço que acalma, na presença que é guia !
Todos nós tão frágeis, tão pequenos diante de tão gigantesco Amor...
Simplesmente nos colocando ao seu dispor...
Para servir sem receio, sempre inspirados por ela!
No seu quarto, uma vela...Uma chama que a todos aquece, que a todos ilumina...
Gratidão elevada em prece!
Doce Luz que dali germina e floresce!
Coração Santuário com as portas abertas...
A razão de uma vida, assim redescoberta!

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Magalha!


Hoje é dia de festa! 
Transforme seu coração num salão de festa...
ou quem sabe numa clareira na floresta...
Aí depende do gosto...
O importante é ter vento e sorriso no rosto"
Ah... invente um ritual pra celebrar a vida! 
Reacenda a fogueira, 
aqueça-se na chama e, 
sem nenhum drama, 
transforme em comédia 
a aventura de viver! 
Pode crer, 
vai ter um monte de penetra
só pra abraçar você! 
Aí você pega umas pencas de amigos 
e faz um abrigo 
pra se proteger 
das tempestades e perigos 
que o tempo às vezes 
insiste em oferecer! 
Depois saia de mãos dadas 
com Patricia 
e ofereça a ela uma taça de luar...
Num instante vocês se verão 
num altar e renovarão as alianças..
E como crianças, 
chamarão seus filhos pra brincar! 
Antes de dormir, 
não esqueça de elevar uma prece 
de agradecimento a Deus! 
Só então será a hora de soprar as velas... 
Assim, seu barco estará pronto pra singrar
mais um ano de felicidade e muito sucesso
e tudo de bom que voce merece! 
Grande abraço!

Warney por Bob...(a dois irmãos queridos, na revelação de seu amor fraterno, eterno!)



No olhar do irmão, o foco, a atenção...
A viagem de um olhar muito além do quadrante...
Não se espante...
As "parecências" ancestrais nada mais são que reticências naturais de um cavaleiro errante...
ou seria um Quixote itinerante a contemplar seus moinhos de vento antes de lhes chamar para dançar no próximo instante?
O tempo e sua coreografia milenar...
O ser humano séculos adiante...
No instantâneo e precioso clicar, mesmo sem respirar, o irmão amplia o horizonte para lhe celebrar...
É o Amor, gigante, a se revelar...
A fraternidade a transformar fotografia em poesia..
Dança em nostalgia...
Brilho no DNA!

O novo descobrimento do Brasil (sobre uma foto de Henriqueta Alvarez)



Da caravela ouve-se um grito.
- Terra à vista...Vida à vista!
A água ainda vive...
Resiste ao óleo sem procedência...
Enquanto o poema na areia pede clemência...
A água viva, em sua transparência, avisa do veneno que polui o mar...
A caravela agoniza, enquanto a brisa vem soprar...
Enquanto a espuma preconiza uma resistência cabra da peste,
a Natureza vai curando as praias do nordeste
no ritmo preciso das marés...
Da caravela ouve-se um grito:
- Mar à vista...Luta a perder de vista...
Seus tentáculos pegam uma carona com a primeira onda, bem na crista...
E deixam-se renovar...
O mar é sal, tempera a terra, onde impera a Vida!
Uma imagem, uma paisagem, um ser que sangra e se eterniza: tatuagem numa superfície violentada...
Corpo submarino em retiro...
Da caravela ouve-se um último suspiro...
Nenhum "brado retumbante"
Apenas um ser e seu martírio...
E "pela própria natureza" o gigante mais parece um morto-vivo...

Servir e Amar...E Amar servir e amar!


Ela se ajoelhou diante dos mais humildes...
Porque neles reconhecia o Cristo necessitado!
Ela se curvou diante dos mais doentes...
Porque neles enxergava o Cristo fragilizado..
Ela se compadeceu dos mais desprezados...
Porque neles abraçava o Cristo entristecido...
Nos menores e mais esquecidos pela sociedade,
ela identificava a imagem e semelhança de Deus...
E por eles lutava e pedia...
E por eles não parava e seguia...
Contra todos os diagnósticos,
contra todos os prognósticos,
ela perseverava e insistia...
E só ao acolher cada um deles e alimentá-los com seu amor
ela finalmente sorria...
E assim o mundo a reconheceu Santa!
Por que em seus traços, em seus gestos, em sua obra,
o mundo reconheceu a imagem de Deus, no Amor ao semelhante!
Sem julgamentos, puro acolhimento!
Este é o seu maior legado...
Tornar o impossível possível apenas com Amor!
Seu maior milagre...
E nós que queremos representá-la, o que temos feito?
Estamos servindo à sua imagem?
Estamos amando à sua semelhança?
Estamos nos espelhando no seu caminho de santidade?
O que significa sua obra para nós?
O que representa seu santuário?
O que nos fala a história de Irmã Dulce?
O que cala em nós a sua vida?
Estamos sendo, de fato, seus legítimos representantes?
Como estamos acolhendo os pacientes?
Como estamos recebendo os visitantes?
Como estamos abraçando a nós mesmos?
Se a maior marca de Santa Dulce foi este amoroso acolher,
como preservar o seu legado sem escutar seu chamado
para que tentemos oferecer nosso melhor lado,
nossos maiores dons, sem olhar a quem,
sem olhar de lado, simplesmente sendo bons!
Qua a cada dia nos ajoelhemos diante da missão
a nós confiada, com a humilde intenção de servir...
Servir a Deus na pessoa do outro...
Do mais próximo...
ao mais distante...
Servir e amar...
E ir além...
Amar servir!
Que a Santa dos pobres desperte em nós os sentimentos mais nobres
para que sejamos dignos do que está por vir...
Servir à sua imagem, à sua semelhança, à sua obra, ao seu legado...
Que cada um possa abraçar a missão de ser solução de continuidade e perpetuidade
daquilo que a fez ser quem foi: a caridade!
Ela se ajoelhou diante dos mais humildes e deles se tornou serva...
Deles se tornou irmã, mãe, anjo bom, bem aventurada e santa!
Que seu Amor nos conduza a servir seguindo suas pegadas...
E que em momentos de sombra e escuridão, imitando o seu Jesus,
possamos clarear a estrada com sua doce luz!
Amém!



domingo, 27 de outubro de 2019

Chamado...



Sigo meu tempo
sem olhar as horas
o presente é o agora
nas lições dos momentos...
Cada encontro
escreve minha história
rabiscos na memória
na luz dos sentimentos...
Sigo meu tempo
sem contar minutos
entre a semente e os frutos
o descobrimento
As missões
são ondas dando sustos
a chama no arbusto
a voz do firmamento...
Sigo meu tempo
longe dos segundos
explorando mundos
conhecendo templos
Nos chamados
mergulhamos fundo
em solos fecundos
somos instrumentos

A casa dos "D"s, a casa de Deus



O Endereço? A Avenida da simplicidade!
Lá, descidos das alturas, do conforto, da imponência e da segurança da "Casa Grande", um Adão contemporâneo e sua Eva moldaram um lugar inspirados pelo Amor!
Qualquer coisa a ver com o paraíso...
Recanto de paz, de silêncio e de sorrisos...
Um templo a céu aberto onde se tem tudo o que é preciso...
Um modelo raríssimo de espaço físico com alma!
Um lugar onde é sensível a presença de Deus, dançando feliz!
Um lugar onde criação, natureza e humanidade, conseguem tocar o sagrado, em breves (e leves) instantes de plenitude...
O lar da quietude...
Onde naturalmente se aprende a silenciar para ouvir os pássaros, para escutar o vento, para acolher a melodia do outro!
No quintal da lagoa, todos os elementos parecem se unir, para louvar o agora!
No varal as roupas ganham vida a toda hora e se permitem dançar com a brisa...
Num castelo sem escudos, há espaço para tudo...
Alimento, abrigo, descanso, oração, fé, alegria, sonho, realização!
Uma luz que preenche o ambiente nos renova o significado de ser gente...
Ser coração...ser transparente...ser inspiração!
A casa dos Ds é casa de Deus!
Repleta de sinais em cada um de seus cantos...
O manto do Amor se estende, muito além do encanto...
E nos diz tanto!
Ali os carneirinhos de São João convivem pacificamente com o Irmão Lobo de São Francisco...
E Nossa Senhora das Flores semeia e colhe perfumes e cores, sem pudores ou riscos...
Há ilhas para o retiro e pontes para o convívio...
A liberdade permite se deitar nas redes, se aconchegar na varanda ou se encontrar no alpendre...
Generosamente o espaço se doa...
E o Amor ressoa entre árvores centenárias e uma vizinhança feliz pelo privilégio de viver ali o sonho do ser pessoa...
Solo sagrado...regado pela mais cuidadosa atenção...entrega, carinho, dedicação... em cada cantinho!
Como Deus que desce ao nível humano, visitando nosso plano, tornando-se próximo aos seus...
Dão e Dani, bem aventurados ciganos entre o rural e o urbano, trazem a Lagoa para o patamar da intimidade, da convivência, da igualdade...
E ali pescam seus convidados nas deliciosas redes do Amor e da Amizade!
Quando ali estivemos, o mundo se preencheu de irmandade!
Sem desigualdades ou preconceitos, a esperança ardeu no peito e o Amor arranjou seu jeito de mostrar os caminhos da verdade...
E ela ecoou ligeiro...
E nos fez passageiros de tanta gratuidade!
Gratidão por cada segundo nos quais fomos servidos das deslumbrantes receitas deste "seu" mundo!
Cada uma mais perfeita...
Canções de silêncio...Orações em abraços...
Emoções de sobremesa e gentileza no antepasto...
Um profundo bem estar do chegar ao cafézinho...
Como na música dos Beatles, um lugar pra "se deixar estar"...
Entre a família de sangue e os amigos, Dão e Dani se tornam abrigos...
Entre as famílias de vida, estão entre os seus, escancarando portas e janelas desta casa de Deus!

segunda-feira, 21 de outubro de 2019


Violetinha...
Querida Irmã...
Mais do que ninguém, você sabe que a santidade tem seus calvários..
Sempre existirão os que interpretação a palavra mais bondosa com os olhos da maldade...
Sempre existirão os que colocarão em sua boca palavras que não são suas...
Se o próprio Cristo passou por isto...passa até hoje... como não abraçar estas coisas como pequenos martírios dos bem aventurados?
"Bem aventurados sois vós toda vez que vos caluniares e julgares e sobre vós falarem todo tido de injustiça por causa do meu nome...grande será sua recompensa nos céus!"
Não entristeceis o vosso coração Violeta, Irmã sem convento...
Teu "pai" Francisco também foi mal interpretado...E nada disso maculou seu caminho de santidade...
Basta conhecer um pouquinho você para saber quais são suas palavras e quais não são, naquela reportagem...
Mas não fique sentida!
Sei que vai abraçar, também, estas "irmãs" calúnia e injúria, com o mesmo amor que abraça os "irmãos" ciúme, violência, maldade, rancor...
e vai estender este abraço aos "irmãos jornalistas", que são como seus filhos de rua...carentes, perdidos, loucos por um pouco de reconhecimento e amor...
Na verdade não vi na reportagem nenhuma intenção de lhe caluniar ou prejudicar... Apenas falta de cuidado e de sensibilidade...
Mas logo que li, intuí que você não ficaria feliz com o tipo e tamanho da exposição...
Violetinha...
Querida irmã...
Paz e bem!
Teus filhos, os de rua e estes daqui da família te abraçam com muito amor neste momento...
E confiam que seu coração será sábio para aprender com esta experiência e para perdoar...
Como dizia uma outra santa...
Tudo passa...
Só Deus não muda!

A Santa nos braços do povo




Irmã do mundo!
Abraço universal...
Doce Luz de um azul profundo!
Pulsando o Amor como um sinal!
Mãe dos pobres, anjo bom...
Em cada poro, em cada som!
Presença pousando serena em cada palavra, em cada silêncio, em cada sorriso agradecido, em cada olhar marejado...
Chamado...
Celebração...
Missão...
Na antiga fonte nova uma nova fonte de luz, amor e paz!
A Santa de Salvador...
A Santa do Salvador...
Do Salvador olhar que a tantos fitou e acolheu...
Tantos filhos seus...
Filhos de Deus!
Filhos que ela resgatou...
Filhos que ela salvou, amou, transformou...
Sob teu doce santo olhar as diferenças se rendem e tendem a se celebrar...
De novo nos braços do povo, anjo, mãe, irmã, cidadã atemporal de um planeta em crise, a Santa dos pobres resgata em cada um de nós os mais nobres sentimentos, as mais belas esperanças... De repente, numa noite de Domingo, em pleno dia do Senhor, a comunhão se faz e uma sensação de paz embala os corações!
Ave Santa Irmã Dulce!
Salve anjo bom do Amor!