segunda-feira, 11 de abril de 2011

La Hermana




Bons ares estes da Argentina.
Gastronomia excelente, exercício físico (andamos muito!), cultura, arte e uma companhia excelente. Como não gostar?
Mi Buenos Aires querida ganhou uma dimensão especial. Celebrar o aniversário de “mi hermana”, com direito aos joselitismos* de Paulito e às escapadas de “la vida real” de “Doritas” não teve preço. Foi sensacional. Do Puerto Madeiro, que “Bouzas” insistia em chamar Porto Madeira, aos caricaturais taxistas mal humorados. Das encantadoras e coloridas ruas do Caminito às escuras e impressionantes ondas do Rio de la Plata. Das exuberantes e acolhedoras praças da capital à inquieta e efervescente avenida Florida. Da estética quase perfeita dos dançarinos de Tango ao ineditismo do penteado do Maitre do Restaurante “Campo dei Fiori” (Comida Italiana Excelente). Da procura interminável pelo Chocolate Milka de “Leche com galettas” para Aninha à impagável comparação feita por um gaiatíssimo brasileño sobre acharmos um carregador de IPOD Shuffle para Let:
- “Es más fácil encontrar uña virgen !!!”
Sentenciou!
Tudo muito bom!
E sem agonia. Acreditem, Paulo não se estressou com horários e, no primeiro dia, até atrasou um pouco!!! Lógico que algumas coisas tradicionais como o sono de Dôra, as dores de cabeça de Lú e Paulo, as chatices deste que vos escreve não podiam faltar para completar o coquetel baiano-porteño na capital de los hermanos.
No CityTour um forte aplauso para Marcela, não aquela do navio, mas uma Argentina bem “na dela” que nos conduziu por um passeio de ônibus inesquecível pelos históricos monumentos, ruas e praças de Buenos Aires.
Saio desta experiência um pouco “cochechito”, mas ainda capacitado.
Na volta, muita emoção. Problemas no check-in no Aeropark, granizo e teto fechado em Guarulhos, avião subindo lento rumo a Salvador. O povo do avião meio verde, mas no todo o quesito aventura também foi fantástico.
A recepção com bolas no Aeroporto foi uma grande idéia. E o jantar pós chegada também. Uma família inteira unida e reunida para celebrar o aniversário de La Hermana. Ou La Madre, ou La Ija, ou La Mujer, ou La trambojone ou La Raburú, como diria Paulito, aquele que foi nascido e criado em Buenos...
Enfim, uma comemoração muito especial para uma pessoa muito especial.
Muito carinho, muito bem querer, muita alegria e recordações que estarão neste velho peito para sempre. Ou seria siempre?
Enfim, uno brinde à capital hermana pelo aniversário impecável de La hermana, mana Luciana...

3 comentários:

  1. Ninha (a afilhada!)11 de abril de 2011 20:32

    Hahahahahahah! Muito bom! E, como sempre, emocionante.
    Adorei o relato... Me fez viver um pouco do que não vivi fisicamente, mas, acredite, vivi em pensamento e coração.
    Senti muita falta de vocês todos, mas sabia que seria uma experiência maravilhosa e estou feliz por vocês! Espero que muitas outras venham pela frente (com filhos e sem filhos também!) pra que a gente possa dar risada e guardar na memória porque isso é que vale!
    beijo grande!

    ResponderExcluir
  2. Não teria sido tão bom sem a presença de vocês!!
    Obrigada mais uma vez pela companhia(excelente), pelos presentes maravilhosos, pelos "doces" que fizeram (incluindo virem separados no avião pra eu não me separar de Mozinho), enfim, por tudo!!! Por incrível que pareça, desta vez ADOREI meu niver! Vamos repetir, com fé em Deus!!!
    Amo vocês!
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Bia (a limada da viagem)17 de abril de 2011 23:37

    Ohhh, amei! Apesar de ter sido excluida e limada da programação, adorei ler o post pra ter uma ideia de tudo que voces aprontaram la... Não faltaram risadas, né? Da proxima vez, quero ir! Queria ter ido dessa também, né, mas eu e El Hermano ja criamos a APLP (associação dos parentes limados da programaçâo) e estamos tomando as devidas providencias para que isso nao volte a acontecer! hahahaha! brincadeiras a parte, muito bom o texto e a viagem! beijos

    ResponderExcluir